SOMOS TODOS JOÃO ALBERTO

20 de novembro de 2020 – Dia da Consciência Negra.
Na véspera, no estacionamento de um Supermercado Carrefour, em Porto Alegre, João Alberto Silveira Freitas, um homem negro de 40 anos, foi espancado até a morte por dois seguranças.

Das toupeiras, aprendemos a cavar túneis.
Dos castores, aprendemos a fazer diques.
Dos pássaros, aprendemos a fazer casas.
Das aranhas, aprendemos a tecer.
Do tronco que rolava ladeira abaixo, aprendemos a roda.
Do tronco que flutuava à deriva, aprendemos a nau.
Do vento, aprendemos a vela.
Quem nos terá ensinado as manhas ruins?

De quem aprendemos a atormentar o próximo e humilhar o mundo?
Eduardo GALEANO, Bocas do tempo.

As perguntas de Galeano ressoam em nossos ouvidos, um dia depois daquilo que alguns estão chamando de tragédia. Não foi tragédia o que aconteceu em Porto Alegre. A tragédia nos remete a algo já determinado, que acontece sem que possamos impedir. A vida humana, as relações sociais, não são trágicas. Elas são dramáticas – dependem de escolhas, de intencionalidades. Então vale falar, sim, no drama que, filmado, invadiu nossas casas, como um soco no estômago, nos deixando, mais uma vez, perplexos e indignados.

Assisti há algum tempo uma conferência de José Saramago, na qual ele afirmava que violência é algo do mundo natural – o leão salta violentamente sobre sua presa, o mar irrompe violentamente na praia, derrubando muros, a lama destrói violentamente as habitações quando a chuva faz deslizar as encostas. O nome certo para aquilo que chamamos de violência humana é crueldade, violência intencional, às vezes planejada. João Alberto foi morto cruelmente.

A crueldade é o nível máximo atingido pelo ser humano que quer levar o sofrimento ao outro. É, na verdade, o nível em que não se leva o outro em consideração, tem-se em relação a ele total indiferença. É aquilo que Jurandir Freire Costa chamou de alheamento, espaço em que fica excluída a alteridade, núcleo da atitude ética – “A ética começa quando entra em cena o outro”, afirma Umberto Eco. No alheamento, o outro não é alter, em cuja presença se afirma minha identidade. Ele é alienus, o alheio, aquele com o qual não tenho a ver, que não é meu semelhante.

Nas imagens de Porto Alegre, me incomoda e soa incompreensível a atitude da pessoa que, muito próxima, quase envolvida, filma no celular o espancamento. Por que ela não terá procurado impedir a ação dos agressores? Por que terá optado por registrar o “espetáculo”? Será que teria procurado intervir se João Alberto fosse seu irmão, seu amigo, outro/alter? Ou será que para ela ele era alienus/alheio?

São muitas as perguntas e nos faltam respostas, pelo menos imediatamente. Mas diante desses acontecimentos, reafirma-se a certeza de que é preciso continuar a luta para superação das situações dramáticas como o preconceito e a discriminação que vemos acontecer estruturalmente no Brasil e no mundo. Enquanto os responsáveis por essas situações não forem reconhecidos e punidos, todos nós estaremos envergonhados.

Hoje, dia da Consciência Negra, somos todos João Alberto Silveira Freitas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s